Notícias | - 12:05 am


Você conhece o significado desses artefatos?4 min read

Confira qual é a função sagrada de cada um dos objetos históricos, cujas réplicas podem ser vistas durante o passeio temático pelo Jardim Bíblico, no Templo de Salomão

Você conhece o significado desses artefatos?4 min read

O Templo de Salomão dos tempos bíblicos era um lugar em que o povo procurava o contato com Deus. Claro que Ele estava por toda parte, mas era no Templo, assim como no antigo Tabernáculo, que todos focalizavam a atenção nEle, separados da vida exterior, compromissados naquele momento com as orações e com a expiação dos pecados. Era um local que inspirava respeito e reverência ao Altíssimo.

O Templo de Salomão substituiu o Tabernáculo. Basicamente, seguiu o mesmo planejamento dado por Deus a Moisés para a grande tenda. Tinha praticamente a mesma mobília cerimonial e quase os mesmos artefatos.
Assim como no original, o Templo de Salomão localizado em São Paulo foi erguido para restaurar não só esse contato direto com Deus, mas também com a finalidade de resgatar o respeito para com a Santidade e a Casa de Deus. Trata-se de um lugar sagrado em que toda a reverência é prestada a Ele. Todos os elementos estão representados no local e têm um propósito e um significado especial. Conheça alguns deles.

A mesa dos pães ou mesa da proposição

Esse móvel ficava à direita de quem entrava no Lugar Santo. Com 12 pães ázimos postos em duas pilhas de seis, simbolizava o alimento que vem de Deus e o alimento espiritual de Sua Palavra. Os pães eram substituídos toda semana.

A menorá

Ou candelabro de ouro, além de servir para fornecer luz, representava a presença de Deus no local. Suas lâmpadas eram abastecidas com azeite (a unção de Deus sobre nossas vidas). A luz da menorá simboliza a fé ou a nossa comunhão com Deus, que precisa permanecer sempre acessa e nunca deve se apagar.

O altar de Sacrifícios

Após a entrada do pátio externo do Templo ficava localizado o altar em que se sacrificavam os animais ofertados a Deus. Só podiam ser abatidos animais em perfeitas condições, geralmente os melhores dos rebanhos. Queimados, produziam fumaça que subia aos céus como “cheiro suave” ao Senhor (íŠxodo 29.25), simbolizando que a pessoa estava limpa de seus pecados.

O “mar de bronze” ou “mar de fundição”

O Grande reservatório de água ao lado do altar de sacrifícios: em sua água eram lavados os pecados para purificação das impurezas (sangue e qualquer outro resíduo dos sacrifícios de animais) dos sacerdotes antes deles ministrarem dentro do Templo. O tanque ficava sobre 12 bois esculpidos em bronze que, em grupos de três, tinham suas cabeças apontadas para os quatro pontos cardeais.

O véu

Havia uma rica cortina separando o Santo Lugar do Santo dos Santos, com dois querubins bordados. Somente o sumo sacerdote passava por aquele véu para conversar diretamente com Deus. Seu simbolismo é forte: embora o véu seja um material frágil, a única coisa que impedia outros sacerdotes de entrar no Santo dos Santos era o respeito a Deus. Também providenciava privacidade. Por meio da oração que o sumo sacerdote levava, todos (o povo e os outros sacerdotes) tinham seu acesso indireto ao Senhor. Hoje, graças ao sacrifício supremo ao Senhor Jesus, acesso ao santo dos santos, sem a necessidade de intermediários (Marcos 15: 37-39).

Altar de incenso

No altar que ficava no fim do Santo Lugar eram colocados os incensos de especiarias e outros perfumes, cujos aromas dominavam o cômodo. Um símbolo das súplicas, o “cheiro agradável” que sobe aos céus em direção a Deus. Ali os sacerdotes dirigiam tais súplicas, suas e do povo – já que eram como intermediários entre o povo e Deus.

A Arca da Aliança

Depois de muitos anos habitando o Tabernáculo, o grande baú dourado foi depositado no Santo dos Santos do Templo. Somente tocado pelos sacerdotes e nunca por uma pessoa comum do povo, guardava outros objetos sagrados, como as tábuas dos Dez Mandamentos que Moisés lavrara orientado por Deus (a Palavra). Sobre a Arca estava o Propiciatório, a tampa do baú, como um tampo de mesa, com duas imagens de querubins apontando suas asas para o centro. Entre aqueles anjos, o sumo sacerdote deveria focalizar a presença de Deus, que falava a ele (íŠxodo 25.10-22).

Veja as novas instruções para participação nas reuniões do Templo de Salomão clicando aqui. Para obter outras informações, você também pode entrar em contato com a Central de Informações do Templo de Salomão: (11) 3573-3535 ou info@otemplodesalomao.com.


Universal.org - Portal Oficial da Igreja Universal do Reino de Deus
  • Por Marcelo Rangel / Fotos: Demetrio Koch  


reportar erro