Notícias | - 3:00 am


O mundo é uma bomba-relógio3 min read

Cientistas advertem que o homem tem apenas 3 anos para salvar o Planeta

O mundo é uma bomba-relógio3 min read

“Se há uma coisa que a comunidade científica concorda é que o Planeta Terra tem data de validade. Astrônomos, biólogos, físicos, geólogos, cientistas nucleares, agrônomos, entre outros, projetam as possibilidades e probabilidades de acontecimentos que poderão definitivamente encerrar a vida na Terra. ”

Assim o bispo Renato Cardoso iniciou a série de reuniões do “Estudo do Apocalipse” – que acontece todos os domingos, às 18 horas, no Templo de Salomão -, cujo objetivo é alertar os presentes sobre a chegada do fim do mundo. Conforme ele relatou, a ciência tem apontado algumas causas pelas quais o mundo estaria em risco de acabar, estando entre as principais:

– Falta de água;

– Alterações ambientais, desastres naturais e ecológicos;

– Tempestades solares.

“Todas as circunstâncias já existem para que essas catástrofes, e outras, aconteçam”, afirmou ele.

Pode parecer filme de ficção científica, mas esse fim do mundo está cada vez mais próximo.

Contra o relógio

Seis dos principais cientistas do mundo, incluindo a ex-chefe de questões climáticas da Organização das Nações Unidas (ONU), Christiana Figueres, e o renomado físico, Stefan Rahmstorf, publicaram, no dia 28 de junho último, uma carta aberta ao mundo, convocando os líderes de nações a lerem.

De acordo com o comunicado, a humanidade tem apenas 3 anos para reverter a situação catastrófica em que a Terra se encontra. Caso contrário, o fim do mundo será inevitável.

A carta cita problemas que estão se intensificando nas últimas décadas. O nível do mar, por exemplo, aumentou duas vezes mais entre 1987 e 2017 do que entre 1907 e 1987. Isso pela grande produção de lixo e pelo aquecimento global que não para. 2015, 2016 e 2017 estão registrados como os anos mais quentes da História.

Caso a destruição do Planeta mantenha esse ritmo até 2020, as catástrofes naturais serão inevitáveis e definitivas.

Você acredita que as grandes indústrias destruidoras da natureza, o homem poluente e os países responsáveis por essa agressão à natureza mudarão a maneira de viver em 3 anos para evitar o Apocalipse? A Bíblia não acredita.

O fim do mundo

A Palavra de Deus afirma:

E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas.
Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto as virtudes do céu serão abaladas. Lucas 21.25-26

De acordo com o bispo Renato Cardoso, essa passagem se refere à “Terra e ao nosso sistema solar, que passam a ser o palco das maiores catástrofes de toda a história da humanidade. ”

Essas catástrofes, conforme a Bíblia demonstra, não podem ser revertidas pelo homem e prenunciam a vinda do Salvador.

“Pode soar como ficção científica, mas todos esses fenômenos já foram observados em menor escala em nosso Planeta. Grandes terremotos, seguidos de tsunamis, erupções vulcânicas, nuvens espessas dessas erupções ou de incêndios florestais que bloquearam a luz do sol e da lua por dias (além das nuvens resultantes de explosões nucleares), chuvas de meteoros, entre outros, estão detalhadamente registrados nos arquivos científicos e históricos da humanidade. Já aconteceram, e vão acontecer de novo, mas em escala sem precedentes. Será o prenúncio do grande Dia do Senhor, profetizado também pelos profetas do Antigo Testamento. ”

Isso não significa dizer que em 2020 o mundo acabará, pois o homem é incapaz de compreender o tempo de Deus e somente Ele sabe o dia e a hora que ocorrerá. Mas demonstra que até mesmo a Ciência já aceita o que a Bíblia descreve há milênios: o fim do mundo é inevitável. E é preciso que cada homem esteja pronto para quando isso acontecer.

Quer saber mais respeito desse assunto? Participe do Estudo do Apocalipse, no Templo de Salomão ou procure uma Universal mais perto de sua casa, clicando aqui.


Universal.org - Portal Oficial da Igreja Universal do Reino de Deus
  • Por Andre Batista / Imagem: Thinkstock 


reportar erro