Notícias | - 5:40 pm


Ele só tinha 72 horas de vida4 min read

Daniel nasceu prematuro e teve cinco paradas cardiorrespiratórias. A entrega no Altar salvou a sua vida.

Ele só tinha 72 horas de vida

Já nas primeiras semanas de vida, o pequeno Daniel Dias Melo, atualmente com 5 anos, teve que lutar por ela. Sua mãe, Solange Dias Melo, de 42 anos, teve um problema quando estava com 29 semanas de gravidez, o que gerou o nascimento precoce dele. “Com 25 semanas de gestação fui internada e fiquei no hospital por uma semana para regularização da pressão. Com 29 semanas, porém, um ultrassom constatou que o bebê estava em sofrimento fetal. Tive de ir às pressas para a maternidade e, depois de fazer exames de sangue, foi detectado que eu estava com síndrome de Hellp: eu tinha 30 mil plaquetas, sendo que o normal é ter entre 150 mil e 400 mil. Além disso, minha pressão estava alta e meu corpo estava se sacrificando para manter o bebê vivo”, diz Solange. 

O desespero tomou conta da família. Para preservar a vida dos dois, foi realizado o parto prematuro. “Antes da cirurgia, tive que receber plaquetas e tomei anestesia geral, pois existia o risco de ficar paraplégica com a anestesia raquidiana. Ele nasceu com 1,55 kg e 28 cm”, relata. 

INÍCIO DAS LUTAS 

Ele só tinha 72 horas de vida Mesmo precisando de auxílio para respirar, Daniel respondeu bem ao tratamento nos dois primeiros dias de vida, mas, a partir daí, a saúde dele piorou repentinamente. Solange conta que “no terceiro dia ele teve cinco paradas cardiorrespiratórias. Diante desse quadro, os médicos deram 72 horas de vida a ele e disseram que não tinha mais nada a ser feito. Ele precisou ser entubado, teve sangramento no cérebro e precisou de inúmeras transfusões de sangue por conta da anemia”. 

A FÉ EM AÇÃO

Daniel estava sem perspectiva de viver, mas seus pais decidiram usar a fé. “Quando os médicos o desenganaram, vimos que era o momento de agir”, conta o pai do menino, Celso de Melo, de 47 anos. “Quando saímos do hospital, fomos direto para a Universal buscar por ele. No dia seguinte, ele continuava entubado, mas o estado dele teve uma melhora que nem os médicos conseguiram explicar. Depois de alguns dias, o tubo foi removido e ele respondeu muito bem, com 100% de saturação”. Essa boa saturação mostrou que o sistema respiratório dele estava reagindo bem. 

Celso conta como ele e sua esposa viviam na ocasião: “era uma guerra diária entre o que os nossos olhos viam e a decisão de crer que Deus faria o impossível. Tinha dias em que as notícias dos médicos em relação à saúde do Daniel eram boas, mas, em outros, eram ruins. Víamos bebês saindo de lá mortos depois de uma única parada cardíaca e, dia após dia, víamos a mão de Deus sobre o nosso filho”. 

Mesmo com a melhora diária de Daniel, os pais continuaram na fé e buscando pelo milagre completo. “Bebíamos a água consagrada com a Gota do Milagre na Universal pensando nele. Molhávamos nossa mão com a água e colocávamos sobre a cabeça dele e também fazíamos orações por ele. Daniel foi reagindo, ganhando peso e se desenvolvendo sem nenhuma sequela”, afirma Celso. 

O MILAGRE

Solange destaca como foi viver aquela situação: “como mãe, tive de lutar contra as minhas emoções. Tinha dias que parecia que eu o perderia. Ajoelhei-me várias vezes no chão do banheiro do hospital para pedir socorro ao Único que poderia me ajudar: Deus”. 

Depois de 59 dias, Daniel recebeu alta. Hoje, ele é uma criança saudável, inteligente e um verdadeiro milagre. “Os médicos não acreditaram quando ele teve alta. Eles diziam que nosso filho era um milagre, a ponto de o neurologista ficar sem palavras, pois estava esperando ver diante dele uma criança com sequelas permanentes”, comemora Solange. “Na primeira consulta após a internação, Daniel já teve alta do acompanhamento, pois não tinha mais nada.” 

O casal enfatiza que a fé fez toda a diferença nessa situação. “Para Deus nada é impossível. Durante todo esse processo cremos que a última palavra vinha da boca de Deus e não dos exames. 

Quando manifestamos a fé no Único que pode resolver a situação, o milagre acontece”, conclui Celso. 

CORRENTE DE CURA 

Se, assim como Celso e Solange, você enfrenta um problema difícil na sua saúde ou na de algum familiar, participe do tratamento com a Gota do Milagre, que ocorre aos domingos, em uma Universal perto de você, onde muitos milagres têm acontecido. 

Ele só tinha 72 horas de vida

Encontre uma Universal mais perto de você. 


Igreja Universal
  • Redação  


reportar erro