Notícias | - 3:00 am


Ela saiu do barraco e foi para a mansão3 min read

Conheça a história da africana Gugu Msomi, de 73 anos, e saiba como ela se tornou uma grande empresária

Ela saiu do barraco e foi para a mansão3 min read

Cidade de Greytown, África do Sul. Foi lá que Gugu Msomi, de 73 anos, nasceu e passou a infância com oito irmãs. “Eu cresci em uma fazenda. Estudei na Suazilândia (país localizado na África Austral) e, quando terminei os estudos, conheci meu marido”, lembra. Todas escolhas que fez na vida miravam um único alvo: ser feliz.

No início, tudo ia muito bem. Ela e o marido tiveram quatro filhos e eram prósperos. Gugu era professora e o esposo, dono de uma frota de táxis. Mas, depois de algum tempo, todos os sonhos se transformaram em pesadelos. “Ele conheceu uma mulher mais jovem e decidiu acabar tudo comigo. Se casou com ela e me mandou embora de casa”, revela.

Desnorteada, Gugu lutou como pôde para sobreviver. “Achei um barraco e foi lá que fui morar com meus filhos.”

A guerra para seguir em frente também acontecia na mente dela. Por conta do trauma, vivia estressada, angustiada e chegou a ficar muito doente. “Tive derrame. Fiquei tão mal que não podia falar. Meus filhos me levaram aos curandeiros, profetas e médicos, mas todos falharam.”

Mudança

Quando já tinha praticamente desistido da vida e da felicidade, uma amiga lhe fez um convite especial. “Ela me convidou para ir à Universal e pediu que eu levasse uma garrafa de água. Aquele foi o dia da minha cura. Depois disso, comecei a ir à igreja todos os dias para a reunião das 6 da manhã”, conta.

Aos poucos, Gugu aprendeu os mistérios da fé e passou a obedecer o que o pastor pregava, mas ela ainda não entendia a importância de se entregar por completo no Altar. “O pastor dizia que nós deveríamos ser fiéis nas ofertas e nos dízimos. Mas a pior parte foi quando os pastores falaram da entrega total no Altar. Eu sempre chorava e dizia a Deus: ‘o Senhor sabe que não tenho marido, que ganho pouco e que meus filhos estão na escola’”, acrescenta.

Tudo mudou quando Gugu perdeu o emprego. “Entendi que estava errada. Eu era infiel, principalmente porque eu ia para o Altar com medo. Por causa da minha infidelidade ao Altar, fui mandada embora. Foi quando decidi colocar toda a minha vida no Altar”, revela.

A vitória da fé

Ela saiu do barraco e foi para a mansãoDepois daquele momento, muitos milagres aconteceram na vida de Gugu. “Houve uma chuva de bênçãos. Abri uma grande empresa. Conseguimos, eu e meus filhos, o contrato para a construção do Aeroporto King Shaka. E, com o dinheiro, construímos minha casa”, fala.

E não parou por aí. Além da casa, ela conquistou carros e outros imóveis. “Hoje eu tenho um caminhão Isuzu de 5 toneladas. E carros: Scirocco, Hummer 3, Maserati v8, Isuzu cabine dupla, Dodge Ram, Hummer 2, Nissan Juke, Ford Ranger, Polo Playa, Jaguar, Golf, Isuzu Midnite último modelo, Audi S3 e um Maserati Levante SUV. Tenho sete casas e, além disso, atualmente tenho três grandes contratos – um deles no Jardim Botânico, outro em uma escola e em um ginásio. Também acabei de receber um novo contrato, no valor de aproximadamente R$ 3 milhões”, detalha.

Mais do que as vitórias financeiras, ela tem o bem mais precioso que alguém pode ter. “A minha vida é cheia de paz. Tenho paz em meu coração. Recebi o Espírito Santo, perdoei meu marido. Agora tudo é maravilhoso. Os meus filhos me amam tanto que me tratam como rainha. Eu sou a rainha da casa”, conclui.

Aonde chegar?

Quando se fala de entrega espiritual, se fala de gratidão a Deus. Gugu só venceu porque entendeu que precisava se doar por inteiro. Por isso, quando ela deu seu tudo e se entregou sem qualquer emoção ou lamentação, ela provou sua dependência de Deus e compreendeu a certeza de que a vitória seria garantida.

E essa é a fé que agrada a Deus. Aquela que O coloca sempre à frente. Então, lembre-se: a vitória e a derrota estão dentro de você. De que lado você está?


Universal.org - Portal Oficial da Igreja Universal do Reino de Deus
  • Por Ana Carolina Cury / Fotos; Cedidas 


reportar erro