Notícias | - 12:05 am


Ela não aceitou o diagnóstico3 min read

Com fortes dores de cabeça e parte do corpo paralisado, Gilmara Galdino lutou pela cura por meio da fé

Ela não aceitou o diagnóstico3 min read

Todos os dias, inúmeras pessoas são desenganadas pela medicina. A promotora de vendas Gilmara Galdino (foto ao lado), de 45 anos, é uma delas. Sem perspectiva e sem encontrar tratamento específico para a sua doença, ela decidiu percorrer um outro caminho: o da fé.

A promotora começou a ter dores de cabeça, mas ignorou o sintoma. Quando as dores ficaram insuportáveis, ela procurou ajuda médica. No início, foi diagnosticada com má circulação do sangue. Os exames não constataram nada, mas após alguns dias ela ficou com os membros inferiores paralisados. Os médicos fizeram novos exames e detectaram que ela estava com esclerose múltipla. Nesse momento Gilmara estava com o corpo atrofiado, a fala embaralhada e a visão comprometida.

“Os médicos chamaram o meu esposo e disseram que não havia mais melhora, que dali em diante só iria piorar. O meu caso não tinha mais jeito, o meu corpo todo iria atrofiar até o dia da minha morte. Eu já não tinha mais esperança.”

O sofrimento dela só aumentava, pois os medicamentos eram muito fortes e as injeções que ela tomava tinham muitos efeitos colaterais. Ela passou 26 dias internada. Os especialistas deram alta e informaram que ela teria de viver em uma cadeira de rodas, porque o seu caso não era reversível.

As limitações a impediram de cuidar dos filhos pequenos e da casa. A vida de Gilmara mudou completamente, pois as finanças ficaram comprometidas. Os medicamentos eram muito caros, as injeções custavam R$ 1.200 cada uma. Sua família vendeu casa e o carro para pagar o tratamento e mantê-la viva. Eles ainda tiveram a ajuda do governo com a aquisição de alguns medicamentos, mas era preciso passar horas na fila para isso. Quanto mais ela aceitava aquela situação, mais debilitada ela ficava.

Gilmara, ao assistir a um testemunho de cura de câncer na programação da Universal, ficou motivada a buscar ajuda. Ela já havia frequentado a Universal e se empenhou em fazer a corrente na reunião de cura.

E lá colocou em prática tudo o que era ensinado sobre a fé e fez propósitos e orações, pois não aceitava a situação que enfrentava. Não demorou muito para que ela começasse a movimentar os membros inferiores. Alguns dias depois, ela passou a enxergar normalmente. “Ao fazer novos exames, não tinha mais nenhum vestígio da doença. Os médicos não acreditaram no que estavam vendo. Para a medicina, a minha situação não tinha mais jeito”, diz. Hoje, Gilmara leva uma vida normal, é uma pessoa saudável e não toma mais nenhum medicamento.

Esclerose Múltipla

É uma doença neurológica, crônica e autoimune, ou seja, as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central, provocando lesões cerebrais e medulares. De acordo com a medicina, a doença não tem cura e pode se manifestar por meio de diversos sintomas, como: fadiga intensa, depressão, fraqueza muscular, alteração do equilíbrio da coordenação motora, dores articulares e disfunção intestinal e da bexiga.

Segundo a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM), a doença interfere na capacidade de realização de atividades comuns do dia a dia, pois a fadiga e a perda da coordenação motora, comuns à doença, estão significativamente correlacionadas com ansiedade, depressão e dificuldade de mobilidade. Alguns pacientes também apresentam diminuição na cognição e aumento da ocorrência de doenças mentais, fatores que interferem na realização das atividades profissionais e na qualidade de vida.

A ABEM estima que atualmente 35 mil brasileiros tenham a doença. A Esclerose Múltipla acomete geralmente jovens, em especial mulheres de 20 a 40 anos.

Muitas pessoas fazem e recebem orações para tratar doenças incuráveis nas reuniões de cura e libertação da Universal. As correntes acontecem todas as terças-feiras, em todo o Brasil. Veja o endereço da Universal mais próxima aqui.


Universal.org - Portal Oficial da Igreja Universal do Reino de Deus
  • Por Michele Francisco / Fotos: Arquivo Pessoal 


reportar erro