Notícias | - 3:10 pm


“É uma luta diária contra a morte”2 min read

Diagnosticada com um câncer agressivo, a esteticista Eliane de Oliveira conta como sua fé a auxiliou no tratamento.

"É uma luta diária contra a morte”

Durante o banho e ao fazer o autoexame, a esteticista Eliane de Oliveira, de 46 anos, sentiu em uma das mamas um “carocinho” do tamanho de um grão de arroz.

Após uma bateria de exames, veio o diagnóstico: neoplasia maligna da mama, do tipo carcinoma lobular invasivo. Apesar de todos os avanços da medicina, Eliane revela que ouvir esse diagnóstico foi como receber um decreto de morte.

Sua única reação naquele momento foi se dirigir à Universal, da qual já era membro. “Chegando lá, deitei no Altar e disse: ‘Deus, agora é com o Senhor. Se for para eu morrer com esse câncer, nem me deixe levantar daqui, mas se for para glorificar o Seu nome que o Senhor venha me curar.” 

A FÉ COMO SUSTENTO 

"É uma luta diária contra a morte”Inicialmente, Eliane passou por quatro meses de tratamento quimioterápico para a redução do tumor, que já estava com 5 centímetros. Logo depois foi feita a mastectomia, cirurgia que consiste na retirada da mama. No caso dela foi a mama direita. Além disso, foi realizado também o esvaziamento axilar ( retirada dos linfonodos da axila ). Depois foi iniciada a radioterapia que durou dois meses. “Foi um tratamento muito difícil, pois acaba mexendo muito com nossa autoestima. Ficamos muito debilitadas, perdemos os cabelos e emagrecemos demais. É uma luta diária contra a morte”, conta. 

No período de reconstrução da mama, Eliane conta que seu organismo rejeitou a prótese de silicone e ocorreu endurecimento da mesma, o que acarretava em dores quando ela fazia qualquer movimento com os braços. Foi necessário fazer sessões de fisioterapia, mas nada aliviava as dores. Ela precisou dormir sentada por dois meses para evitar o incômodo que sentia ao se deitar. 

Uma terceira cirurgia para a retirada da prótese rejeitada e a colocação de uma nova foi inevitável. Ela fez ao todo quatro intervenções cirúrgicas, sendo a última para finalização da reconstrução mamária. “A recuperação foi muito difícil, mas em nenhum momento eu desanimei. A fé me sustentou. Eu tinha certeza que Deus ia me curar”, afirma. 

Hoje, curada, Eliane diz que compreende que tudo isso serviu para fortalecer mais a sua fé. “Me apeguei com Deus mais ainda. Fiz todos os votos, todos os propósitos e graças a Ele estou aqui para contar”, conclui. 

"É uma luta diária contra a morte”

Encontre uma Universal mais perto de você. 


Universal.org - Portal Oficial da Igreja Universal do Reino de Deus
  • Redação 


reportar erro