Notícias | - 9:00 am


Casa Branca volta ao comando dos democratas5 min read

Joe Biden tomou posse na quarta-feira, 20, como o 46º presidente dos Estados Unidos, sucedendo o republicano Donald Trump.

Casa branca volta ao comando dos democratas

Os democratas Joe Biden e Kamala Harris tomaram posse na quarta-feira, 20, como o 46º presidente e vice-presidente dos Estados Unidos, sucedendo os republicanos Donald Trump e Mike Pence.

“Temos que nos unir para enfrentar nossos inimigos: raiva, ódio, extremismo, violência, doença, desemprego e desesperança. Com união, podemos fazer grandes coisas, coisas importantes. Eu sei que falar de unidade pode soar para alguns como uma fantasia tola nos dias de hoje”, disse Biden. E prosseguiu: “Sei que as forças que nos dividem são profundas e reais, e também sei que não são novas. Aprendemos novamente que a democracia é preciosa. E agora, meus amigos, a democracia prevaleceu. Vamos restaurar nossas alianças e nos reunir com o mundo novamente, não para enfrentar os desafios de ontem, mas os de hoje e de amanhã”, disse Biden em seu discurso de posse.

O presidente citou também os efeitos da pandemia do novo coronavírus, que tirou a vida de milhares de americanos e afetou a economia, e as mudanças climáticas como desafios da sua administração. Além disso, ele reforçou que é importante que os EUA garantam a igualdade entre as pessoas.

Pouco antes, a vice-presidente Kamala Harris foi empossada como a primeira mulher a ocupar o cargo na história dos EUA. “Não me digam que as coisas não podem mudar”, disse Biden

Durante o discurso, o 46º presidente saudou os seus antecessores presentes na cerimônia: Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama. Ele agradeceu também ao vice de Trump, Mike Pence, evidenciando a ausência do seu antecessor.

Logo após ser empossado e já dentro da Casa Branca, Biden escreveu sua primeira mensagem aos cidadãos dos EUA pela conta oficial do Twitter: “não há tempo a perder quando se trata de enfrentar as crises que enfrentamos. É por isso que hoje estou indo para o Salão Oval para começar a trabalhar, entregando ações ousadas e alívio imediato para as famílias americanas”, twittou.

Desafios e prioridades

Biden sempre se posicionou como antagonista do governo Trump, por isso, especialistas esperam algumas guinadas dos EUA tanto em questões domésticas quanto internacionais. Eis algumas das ações mais urgentes e principais desse novo governo, segundo “As prioridades imediatas da administração Biden-Harris” divulgada pela Casa Branca e uma análise feita pela BBC.

Covid-19

A abordagem de Biden para combater o coronavírus, o desafio mais imediato e óbvio que o país enfrenta, é expandir os testes fornecendo gratuitamente para todos e contratando 100.000 pessoas para estabelecer um programa nacional de rastreamento de contatos.

Ele diz que deseja estabelecer pelo menos 10 centros de testes em cada estado, convocar agências federais para distribuir recursos e fornecer orientação nacional mais firme por meio de especialistas federais e defende que todos os governadores deveriam exigir o uso de máscaras. Biden lançará ainda um programa nacional de vacinação para inocular a população dos Estados Unidos de forma eficiente e equitativa.

Economia

 Aumentar o salário mínimo e investir em energia verde: Biden prometeu gastar “o que for preciso” para conceder empréstimos a pequenas empresas e aumentar os pagamentos diretos às famílias impactadas pela pandemia. Entre as propostas estão um adicional de US $ 200 em pagamentos de Previdência Social por mês, rescindindo os cortes de impostos da era Trump e US $ 10.000 de perdão de empréstimos estudantes para empréstimos federais.

 O presidente também trabalhará com o Congresso para aprovar o Plano de Resgate Americano para mudar o curso da pandemia, construir uma ponte para a recuperação econômica e investir na justiça racial.

Ele apoia o aumento do salário mínimo federal para US$ 15 (£ 11,50) por hora – uma medida popular entre os jovens e que se tornou uma espécie de totem para o partido em 2020. Ele também quer um investimento de US $ 2 trilhões em energia verde, argumentando que o aumento da produção verde ajuda os trabalhadores sindicalizados da classe trabalhadora, que desempenham a maioria desses empregos.

Cuidados com a saúde

 O presidente Biden assume um compromisso renovado de proteger e expandir o acesso dos americanos a seguros de saúde de qualidade a preços acessíveis para pelo menos 97% da população. Ele se baseará no Affordable Care Act para atender às necessidades de saúde criadas pela pandemia, reduzir os custos de saúde e tornar o sistema de saúde menos complexo.

Biden promete dar a todos os americanos a opção de se inscrever em um seguro de saúde público semelhante ao Medicare, que oferece benefícios médicos para os idosos e para diminuir a idade de elegibilidade para o próprio Medicare de 65 para 60 anos. O Comitê por um Orçamento Federal Responsável, um grupo apartidário, estima que o plano Biden total custaria US $ 2,25 trilhões em 10 anos.

Imigração

Em seus primeiros 100 dias no cargo, Biden promete reverter as políticas de Trump que separam os pais de seus filhos na fronteira EUA-México, rescindir os limites do número de pedidos de asilo e acabar com as proibições de viagens de vários países de maioria muçulmana. Ele também promete proteger os “Sonhadores” – menores trazidos ilegalmente para os Estados Unidos quando crianças que foram autorizadas a permanecer sob o DACA – uma política da era Obama – bem como garantir que sejam elegíveis para auxílio estudantil federal.

 

Encontre um Universal mais perto de você. 


Universal.org - Portal Oficial da Igreja Universal do Reino de Deus
  • Fonte: gazetanews.com 


reportar erro