Notícias | - 12:05 am


Aprisionada pela dor2 min read

Cristiane Martins ficou confinada e perdida por causa dos traumas sofridos

Aprisionada pela dor2 min read

As nossas vidas são marcadas por lembranças do passado, sejam elas boas, sejam ruins. Algumas recordações trazem dor, inseguranças, complexos e medos, uma mistura de sentimentos e sensações que escravizam a pessoa. A recepcionista Cristiane Martins (foto ao lado), de 39 anos, viveu durante anos prisioneira das marcas de um abuso que sofreu na infância.

Aos 12 anos, ela foi abusada sexualmente por um amigo próximo da família e a violência aconteceu repetidas vezes. “Na última vez que ele me violentou, ele tapou a minha boca para eu não gritar. Foi quando eu disse que iria contar tudo para a minha mãe, mas ele me ameaçou. Acabei ficando calada e guardei esse segredo por muito tempo”, conta.

Por não suportar conviver com essas memórias e com a dor que elas provocavam nela, Cristiane fez um pacto com o diabo aos 17 anos. Não demorou muito e ela percebeu que, ao contrário do que imaginava, foi tudo ilusão. E o tormento dela só aumentou. “Se existia um pouco de paz em mim, a partir dali a paz acabou. Comecei a ter dores de cabeça constantes, insônia e desejo de suicídio”, relata.

Sem perspectiva, Cristiane começou a frequentar festas e bebia deliberadamente. Um dia, quando estava alcoolizada, ela se relacionou com um rapaz e acabou engravidando.

Tudo parecia estar desmoronando para a jovem, que não aceitava a gravidez. Quando a criança nasceu, ela a rejeitou. Perdida e desesperada, Cristiane foi morar com a irmã, que a convidou para ir à Universal.

Cristiane passou a frequentar as reuniões de libertação, mas continuou com pensamentos suicídas. Tentou tirar a própria vida cinco vezes. Em uma dessas vezes, ela tentou matar a filha. Ouvia vozes e ficava transtornada. A assistente social do local onde ela trabalhava encaminhou Cristiane para o psiquiatra. “Comecei a fazer o tratamento, todos diziam que eu era louca. Um dia eu surtei no consultório médico e me internaram”, conta.

Ela deixou de ir à Universal, mas uma obreira não desistiu dela e lutou muito para que ela voltasse. Ela resolveu voltar e praticar tudo o que aprendia na Universal. Aos poucos, ela perdeu o medo da morte. Ela se libertou e hoje vive uma nova história.

Está passando por problemas de ordem espiritual? Saiba como livrar-se deles participando todas as sextas-feiras da Reunião de Libertação na Universal. Os horários das reuniões podem variar de um lugar a outro. Acesse www.universal.org/enderecos e encontre uma Universal mais próxima de você para participar.


Universal.org - Portal Oficial da Igreja Universal do Reino de Deus
  • Por Michele Francisco / Foto: Leyde Luciana 


reportar erro