Notícias | - 12:05 am


A referência feminina4 min read

A presença da mãe na vida de um menino reflete no adulto que ele será, como no exemplo real de vida do ator Jeff Bridges

A referência feminina4 min read

Muito se fala na mídia voltada para o público masculino do papel do pai na formação do filho. Sim, uma referência viril é importantíssima para a construção daquele que um dia será um homem. Mas o que muitos desses veículos deixam passar, na maioria das vezes, é como a referência feminina – a mãe, sobretudo – é importante para o futuro adulto.

é com a mãe que um garoto aprende a respeitar as mulheres, mas também a apreciar e reconhecer sua força, seu dinamismo e o que é o carinho desinteressado. é claro que falamos das boas mães, as de fato, tenham elas laços biológicos ou não com um menino. Assim como um pai sensato forma na filha o conceito do que é um homem decente, uma mãe genuína faz o filho perceber o que é uma mulher de verdade.

Recentemente, o premiado ator norte-americano Jeff Bridges (foto abaixo) revelou ao canal televisivo OWN, dos Estados Unidos, o quanto sua mãe foi importante em sua formação. Filho do casal de atores Lloyd e Dorothy Bridges – e irmão mais novo de Beau Bridges, que seguiu a mesma profissão –, Jeff contou as circunstâncias adversas de seu nascimento. Quando veio ao mundo, em 1949, seus pais ainda tentavam superar a perda do bebê anterior, Garrett, que havia morrido 16 meses antes de síndrome da morte súbita infantil.

Dorothy não abria mão do contato diário com suas crianças. Além do bebê perdido, ela teve três filhos (Jeff, Beau e Lucinda) e determinou um compromisso diário que honrou a vida inteira: dedicava uma hora exclusiva para cada filho, o que os Bridges chamavam de “Tempo” – assim mesmo, com T maiúsculo.

“Todo dia, por uma hora, eu podia contar que minha mãe teria o ‘Tempo’ comigo”, explicou Jeff, que poderia ser um passeio, brincadeiras, contação de histórias ou uma boa conversa, entre muitas outras coisas. Durante esses momentos, Dorothy se certificava de que nada os interromperia e de que estaria integralmente presente para aquele filho. “Ela nem mesmo atendia a telefonemas naquele período e mandava recado de que retornaria a ligação depois. Eu a percebia totalmente focada em mim, mas também que curtia muito estar comigo. Nunca senti que ela fazia isso por mera obrigação.

Fazia de tudo para conseguir aquela hora conosco. Tivemos um relacionamento maravilhoso”, relata o ator. E não ficou só nisso. Todos os dias, Dorothy anotava algo num tipo de “diário” que fazia para cada criança. Quando eles completaram 21 anos, ganharam de presente o diário completo, uma espécie de biografia do filho segundo o ponto de vista da mãe. “Até hoje é algo poderoso eu me ver pelos olhos dela ao ler o diário”, considera Bridges, com um franco e significativo sorriso.

O resto conhecemos bem. Ele foi na telona o alienígena que aprende sobre humanidade em Starman, um dos primeiros guerreiros virtuais em Tron, cantou e tocou com o irmão Beau em Susie e os Baker Boys, ganhou o Oscar como um cantor country em Coração Louco e foi o antagonista em Homem de Ferro. Mas a influência da dedicação da mãe foi bem além das telas. Bridges, num costume incomum para o universo hollywoodiano, é casado com a mesma mulher, Susan, há 40 anos, com quem teve três filhos. A personalidade firme daquela moça interiorana que ele conheceu enquanto filmava numa pequena cidade de Montana chamou sua atenção desde o primeiro contato. Talvez ela tenha despertado a lembrança de outra mulher marcante cuja influência foi muito importante para o homem admirado que ele é hoje.

Contra os “grandes”

O ator Jeff Bridges viveu nas telas a história real de um homem que ousou enfrentar as grandes indústrias automobilísticas com um carro revolucionário e, mesmo com o jogo baixo contra ele, nunca desistia. Tucker – Um Homem e seu Sonho (1988) é filmão de primeira, dirigido por Francis Ford Coppola e produzido por George Lucas. Veja o trailer aqui.

Momentos de qualidade

Você também pode ter um “Tempo” com as mulheres da sua vida, diário ou não. Como nem todos puderam ter o convívio com suas mães, também pode ser com outras influências femininas positivas que teve – uma tia, professora, avó, sogra, sua esposa, etc. O Desafio IntelliMen #36 dá ideias bem bacanas para isso, veja aqui.

Hoje em dia o respeito é fundamental para que haja um bom relacionamento interpessoal. Se você é homem e deseja mudar suas atitudes, a hora é agora. Participe do projeto Intellimen e aprenda como ser um homem melhor. Para mais informações sobre o grupo clique aqui.


Universal.org - Portal Oficial da Igreja Universal do Reino de Deus
  • Por Marcelo Rangel / Fotos: Reprodução 


reportar erro