Notícias | 12.04.2016 - 12:05 am


Atitudes que transformam vidas10 min read

Conheça exemplos de pessoas que expressaram a fé sacrificial e mudaram suas histórias e as de suas famílias

Atitudes que transformam vidas10 min read

Responda para si mesmo se gostaria que Deus descesse do Céu e realizasse todas as mudanças necessárias para que você tenha uma vida feliz. Certamente, sua resposta foi sim. Afinal, Ele é o Criador de todas as coisas e tem o poder de transformar aqueles que creem nEle. Mas, para que Ele desça, é preciso estar disposto a manifestar a fé que exige sacrifício.

Foi isso que Moisés fez quando foi escolhido por Deus para ser o libertador do povo escravo por mais de 400 anos no Egito. Ele subiu ao cume mais alto do Monte Sinai disposto a ver a glória Divina. Ele não se importou em fazer tamanho sacrifício para atender ao chamado de Deus. Afinal, já havia renunciado às riquezas e ao trono mais poderoso da época em prol da fé.

Enquanto Moisés subia no Sinai em atitude de obediência, Deus descia do céu para falar face a face com ele. Aquele monte era o Santuário onde o Senhor revelou o cumprimento das Suas promessas.

A entrega total de Moisés fez com que Deus fizesse coisas gloriosas ao seu povo por meio dele. Foi ali que Ele revelou, ardendo em uma sarça, que iria cumprir a promessa que havia feito no passado de levar o seu povo até a Terra Prometida. Lá também fez o pedido a Moisés para que construísse o Tabernáculo para que Ele pudesse habitar entre eles. E foi no Sinai ainda que Deus lhe deu as pedras com os Dez Mandamentos.

Assim como Deus usou Moisés para realizar o sonho daquele povo, Ele também quer manifestar o Seu poder na vida das pessoas que expressam a fé no Seu Altar. “O Senhor quer usar aqueles que nEle têm crido, assim como fez com Moisés para atender às necessidades do povo. Ele precisa de pessoas dispostas a serem usadas por Ele. Assim como ele se moveu na vida do povo de Israel, Ele se moverá para aqueles que têm se movido no Altar”, explicou o bispo Clodomir Santos em uma reunião no Templode Salomão.

Ele destacou que o cristão que tem uma aliança com Deus expressa a fé sacrificial. “O que sustenta uma aliança é o sacrifício. é impossível manter um relacionamento, por exemplo, se as partes não quiserem sacrificar. Assim é também com Deus. Por causa desse compromisso, Ele desceu. A condição para que Ele libertasse o povo de Israel e o introduzisse na Terra Prometida foi mediante a obediência ao sacrifício, como está escrito: ‘Certamente eu serei contigo, e isto te será por sinal de que eu te enviei: Quando houveres tirado do Egito o meu povo, servireis a Deus neste monte’.” íŠxodo 3,12.

Muitas pessoas têm visto Deus descer em suas vidas porque mantêm uma aliança com Ele por meio da fé sacrificial. Elas subiram no Altar de Deus dispostas a obedecê-Lo e colheram resultados de transformação.

Crescimento profissional

O empresário Adriano Pereira, de 37 anos, (foto acima) chegou à Universal desanimado por causa dos problemas financeiros. Ainda jovem, ele trabalhava na roça com seu pai e vivia frustrado por não se desenvolver profissionalmente. Ao ouvir sobre a Fogueira Santa, viu a oportunidade para mudar de vida. “Eu me vesti daquela revolta de fé e fui gerar o meu sacrifício, pois naquela época não recebia nenhum salário”, revela.
Após alguns dias de trabalho, ele subiu no Altar convicto de que Deus iria torná-lo um empreendedor de sucesso. Então Adriano recebeu uma direção de Deus para ter o seu comércio. “Comecei a vender batatas, de casa em casa, em bares, restaurantes, etc.”, lembra.

Mas ele queria crescer e sabia que Deus deveria ser seu aliado. Expressou sua fé sacrificial em uma nova Fogueira Santa e, em seguida, viu seu negócio se expandir. “Então, em vez de vender nas casas, passei a comercializar em mercearias e mercados”, explica.

A cada Fogueira Santa, Adriano renovava sua aliança com Deus, mesmo em meio às dificuldades. O resultado de sua obediência foi maior do que o seu sacrifício. “Até então eu só trabalhava com pequenos mercados. A partir daí, acertei com a maior rede do Estado de Santa Catarina, depois outra e mais outra. Compramos mais dois caminhões e ampliamos a empresa”, comemora.

Hoje, Adriano tem certeza de que o avanço de sua empresa de comércio e transporte de batatas se deve ao sacrifício que faz no Altar. Após a última Fogueira Santa, comprou novos veículos, conquistou novos mercados e viu o rendimento da empresa crescer.

Sua esposa, Raquelly Pereira, de 35 anos, também alcançou a independência financeira por meio da fé sacrificial. Antes, ela já havia obtido, em Fogueira Santa, várias conquistas em outras áreas, como a libertação espiritual e a cura de um problema de saúde que tinha lhe deixado estéril.

Há três anos, comprou uma loja de acessórios, mas, após uma Fogueira Santa, conseguiu transformá-la em uma butique de roupas de gripe.

Adriano e Raquelly são felizes, moram em um bom apartamento, em Santa Catarina, possuem veículos próprios e o filho de 9 anos estuda em um dos melhores colégios da cidade.

A cura que veio do Altar

Após uma cirurgia de redução de estômago, Thiago Vassoler, de 23 anos, (foto aolado) teve sérias complicações que quase lhe tiraram a vida. Dez dias depois da operação, ele começou a sentir dores abdominais, febre alta e falta de ar. Realizados alguns exames, constatou-se que estava com uma infecção generalizada. “Ela já havia atingido estômago, intestino, rins, fígado e pulmão. Eu já estava com septicemia, quando a infecção se espalhou pelo sangue”, conta.

Thiago, então, foi internado às pressas. E a situação começou a piorar. Enquanto o jovem lutava pela vida, os pais, o bispo Fernando Vassoler e Cláudia, ouviram dos médicos que a situação do filho era muito grave. A infecção poderia fazê-lo entrar em coma a qualquer momento ou deixá-lo com sequelas. “Não era fácil ver meus pais preocupados. Somente a fé pôde sustentá-los e impedir que aquelas palavras surtissem qualquer efeito neles”, justifica Thiago.

Ele já sabia que o sacrifício no Altar de Deus era capaz de livrá-lo daquilo. Então, mesmo muito debilitado, pediu ao pai que vendesse tudo o que ele tinha entre roupas, acessórios e eletrônicos e apresentasse como sacrifício no Altar.

O pai atendeu à atitude de fé do filho. E, além de vender todos os pertences pessoais dele, fez o mesmo com os próprios e sacrificou tudo no Altar. “Eu sabia que para Deus descer na vida dele tínhamos que subir”, aponta o bispo Fernando.

A resposta foi rápida. No mesmo dia, ele passou a respirar normalmente e caminhou pelo hospital. Em uma semana, não havia mais infecção. Os órgãos voltaram a funcionar e a saúde foi restaurada. Os médicos ficaram impressionados. “Um deles repetia, ao ver os exames, a expressão ‘inacreditável’. Hoje, meu corpo é saudável e trabalha melhor do que antes”, testemunha Thiago.

Prosperidade depois de abandonar os vícios

No início deste ano, Felipe Daniel de Araújo, de 33 anos, (foto ao lado) viu o programa da Universal na televisão e decidiu que precisava recorrer a Deus para livrá-lo dos vícios e de suas terríveis consequências. Desde que tinha 13 anos, ele consumia maconha, cocaína e álcool, o que o levou a cometer diversos crimes. “Na época, me envolvi com más amizades e comecei a roubar. Com 16 anos, em uma tentativa de sequestro, vi um amigo morrer na troca de tiros com a polícia. Fui também detido e levado para a antiga Febem. Já aos 23, fui preso novamente”, narra.

Quando saiu da prisão, ele decidiu abandonar as más amizades, mas continuava viciado em drogas. Passou a trabalhar em uma empresa, mas não conseguia ser promovido por causa dos vícios. Resolveu montar o próprio negócio, porém, como ainda não havia se livrado das drogas, não conseguia administrá-lo. Por isso, logo o perdeu. “No início, a empresa ia bem. Mas, depois de alguns anos, ela faliu, pois eu não tinha cabeça para administrá-la por conta dos vícios e também por causa das brigas que tinha com minha mulher. A minha vida virou um inferno”, lembra.

Felipe, ainda mais afundado nas drogas, acumulou mais de R$ 100 mil em dívidas. “Fiquei devendo três meses de aluguel e não tinha nem o que comer em casa”, destaca.

Ao chegar à Universal, ele começou a entender que a expressão da fé em Deus poderia livrá-lo daquela situação. Após alguns meses participando das correntes, ele recebeu a direção de Deus para começar a fazer roupas de academia, colocou em prática a ideia e deu certo. “Comecei com alguns quilos de tecido e, em pouco tempo, meu negócio começou a prosperar”, explica.

Mas foi no último mês de julho, durante a Fogueira Santa, que ele viu a oportunidade de transformar toda a sua vida. “Decidi sacrificar o que tinha a Deus e fiquei na dependência dEle”, afirma.

Em menos de seis meses, aconteceu a mudança. Hoje ele não tem mais vícios, vive feliz no casamento, comprou uma moto importada e um carro e montou outra loja de moda fitness. “A minha vida mudou da água para o vinho”, ressalta.

Livre dos complexos para ser feliz

Eliane de Araújo Camargo, de 38 anos, (foto ao lado) sonhava em se casar, mas se sentia vazia e frustrada por não conseguir encontrar alguém que pudesse fazê-la feliz. “Eu pensava que não existia alguém compatível com minhas expectativas. Pessoas ao meu redor me questionavam, pois nunca me viam com um companheiro.”
Quando os irmãos se casaram e tiveram filhos, ela sentiu a cobrança. “Já haviam me rotulado como a ‘titia’ da família. Cheguei ao ponto de evitar programas familiares”, lembra.

Por ter desistido de investir na vida amorosa, também parou de se cuidar. Chegou a sofrer com a obesidade mórbida e ficou doente de tanto trabalhar. “Na minha mente, o meu fim seria ser a tia gordinha bacana, solteirona e que cuidaria dos pais aposentados”, conta.

Eliane já havia conquistado, por meio da Fogueira Santa, bênçãos em outras áreas. Então, rejeitou o comodismo e expressou sua revolta no Altar para alcançar também a mudança na área amorosa. “Já estava cansada daquela humilhação e vergonha. Era uma frustração muito grande e só Deus poderia revertê-la”, ressalta.

Ela se recorda do desafio que fez com Deus naquela ocasião. “O Templo de Salomão estava sendo construído. O homem de Deus disse que, enquanto as paredes do Templo fossem erguidas, a área pela qual estávamos lutando também seria erguida. Não tive dúvidas e me lancei com meu sacrifício”, descreve. Quando desceu do Altar, Eliane estava convicta de que logo estaria namorando.

Então, ela conheceu Peterson Ferreira Camargo, de 34 anos, que também já havia tomado atitudes de fé em prol da sua vida amorosa, e começaram a namorar. Para terem um casamento abençoado, os dois recorreram à Fogueira Santa. “Faltando menos de três meses para o casamento fizemos nosso sacrifício e Deus supriu as nossas necessidades. Nos casamos com uma festa linda com tudo pago, fizemos a lua-de-mel no exterior e tivemos nosso apartamento mobiliado”, descreve.

Certos de que a fé sacrificial é responsável pelas bênçãos que tiveram, Eliane e Peterson não param de usá-la. “Recentemente, em uma Fogueira Santa, recebemos a direção de montarmos uma empresa que logo estará dando frutos”, alerta.

Hoje, ela tem paz, é livre dos complexos e feliz na relação. “Tenho um marido amigo, que cuida de mim, me respeita, me ama e está sempre ao meu lado”, finaliza.


Universal.org - Portal Oficial da Igreja Universal do Reino de Deus
  • Por Janaina Medeiros / Fotos: Arquivo pessoal e Demetrio Koch 


reportar erro